Artigos

Deslizes

Já não existe nem o certo, nem o errado…

Tomo o título e um verso da canção de Raimundo Fagner para um desabafo gramático-ortográfico. Sinto que preciso voltar aos bancos da sala de aula, quiçá numa dessas escolas de reforço escolar, para reaprender as regras gramaticais e ortográficas. Não me preocupam os erros cometidos por deslizes, com certeza você lerá um deles aqui, mas sim aqueles que estão se perpetuando entre postagens de textinhos no Twitter e textões no Facebook.

As vírgulas, os pontos, as concordâncias. Esqueça tudo. Está cada dia mais difícil entender uma frase. Til, agudo, circunflexo. Esqueça também. Nada faz sentido mais. Por falar em mais, qual a diferença entre “mas” e “mais”? Haja interpretação de contexto para se perceber qual deveria ter sido usado, mas não foi.

Escrever corretamente ficou para os burocratas, advogados, escritores e os “metidos a intelectuais”. Saber escrever bem anda de mãos dadas com saber ler bem. Quem lê um texto bem escrito sabe escrever bem. No entanto, temos um monte de gente capaz de encontrar solução para os corruptos, os conservadores, os liberais, os atrasos da nação e as mazelas políticas, mas são incapazes de ler um texto e tirar conclusões plausíveis do mesmo. Da mesma forma, são incapazes de usar corretamente uma virgula ou concordar o sujeito com o verbo e o objeto. Assim, retomo o verso supracitado e concluo que, em questões de escrita, “Já não existe nem o certo, nem o errado…”.

Reverendo Giovanni Alecrim
Pastor da Igreja Presbiteriana Independente do Brasil

Anúncios
Artigos

5 lições que o conservadorismo teológico tem me ensinado

Do início de minha caminhada teológica, até o presente momento, fiz uma jornada de desconstruir e reconstruir minha forma de ler e interpretar a Palavra de Deus. Tal exercício é fundamental, independentemente de sua linha teológica. Quando olho para o que produzo de teologia, o que me influencia e o que cala em minha mente e coração, claramente não me identifico com a maioria conservadora que toma conta dos rincões reformados (e ditos reformados) brasileiros. Por outro lado, os meus amigos progressistas e liberais teologicamente tendem a dizer que, por vezes, sou conservador demais. Eu amo cada um deles do mesmo jeito, apesar de tal definição.

Faço todo esse arrazoado para entrar no tema do artigo. Tenho convivido com pastores e líderes alinhados ao lado mais conservador da força (não resisti o trocadilho com Star Wars) e percebi que existem coisas que precisamos — progressistas, liberais e demais correntes — aprender com eles. Vamos a elas.

Continue lendo “5 lições que o conservadorismo teológico tem me ensinado”

Artigos

Igrejas Reformadas e Históricas se posicionam contra reforma trabalhista

Já faz um mês que as Igrejas Evangélicas Históricas se posicionaram a respeito da Reforma Trabalhista. Dificilmente u publico aqui textos que não são de minha autoria. Aqui, eles acertaram em cheio nas pontuações. Espero que as denominações tomem ações práticas para combater esta reforma.

Pronunciamento dos Presidentes, Representantes das Igrejas Evangélicas Históricas e Aliança Evangélica Brasileira Sobre a Reforma Previdenciária – PEC 287/2016

“O rei justo sustém a terra, mas o amigo de impostos a transtorna” Provérbios 29:4

Os Presidentes e representantes das Igrejas evangélicas históricas do Brasil, em virtude das propostas de mudanças no regime previdenciário brasileiro contidas na Proposta de Emenda à Constituição – PEC 287/2016, no cumprimento de seu dever profético e no exercício da fé cristã, fazem o seguinte

PRONUNCIAMENTO:

1 – O atual sistema previdenciário brasileiro cumpre fundamental papel redistributivo e realocativo de renda, sendo instrumento eficaz de combate à desigualdade social e de segurança alimentar a uma parcela significativa de brasileiros;

2 – Não obstante sua importância no combate às desigualdades sociais, o atual sistema previdenciário apresenta assimetrias e desigualdades entre diversas categorias laborais, o que requer revisão e ajustes para seu aperfeiçoamento;

3 – A exigência de idade mínima de 65 anos para aposentadoria tanto de homens quanto de mulheres e de um tempo mínimo de contribuição de 25 anos que, na prática, requer 49 anos para aposentar-se com 100% dos proventos, é injusta e não condiz com a realidade brasileira, porque:

3.1. As mulheres, sabidamente, em nossa sociedade, exercem dupla jornada laboral, trabalham cerca de 7,5 horas a mais que os homens, de acordo com levantamento do IPEA, e não se podem ignorar as diferenças de gênero;

3.2. Os trabalhadores mais pobres e sem qualificação, em vista da economia informal (falta de registro em carteira), do subemprego e do desemprego, jamais alcançarão 49 anos de contribuição para fazer jus aos proventos de aposentadoria integrais;

3.3. Não leva em consideração nossos graves desequilíbrios regionais e as diferenças de expectativa de vida entre as populações das regiões mais pobres em contraponto com as mais ricas.

4 – É injusta a sistemática proposta de cálculos dos proventos e dos cálculos de pensão, havendo a possibilidade de esses valores serem inferiores ao salário mínimo;

5 – A elevação de idade para 70 anos para o Benefício de Prestação Continuada afetará as camadas mais pobres da sociedade, impedindo que os que mais precisam tenham acesso ao benefício;

6 – É preciso que haja uma investigação profunda da aplicação dos recursos arrecadados para sustentar a previdência e a seguridade social, que os números reais da previdência sejam tornados públicos e que o Governo construa mecanismos eficazes de cobrança dos altos valores devidos à Previdência Social e reduza as desonerações fiscais concedidas aos segmentos privados, em detrimento da saúde financeira do Estado.

Conclamamos os membros que se reúnem em nossas Igrejas a orar pelo bem de nossa nação e que Deus nos permita construir um país em que justiça social e cuidado com os mais necessitados sejam pauta permanente de nossas políticas públicas.

assinatura manifesto

Leituras

Igreja em lugares difíceis

Inicio com a seguinte consideração: o livro é mais que um roteiro de como atuar em lugares pobres. Dito isto, posso começar a falar sobre ele. O que Mez McConnel e Mike McKinley fazem é apresentar os pressupostos de todo trabalho envolvendo comunidades carentes. Quer em Glasgow, Nova York ou em São Luiz do Maranhão (um dos autores trabalhou lá).


Continue lendo “Igreja em lugares difíceis”

Artigos

Por que o fim de semana deveria ter 3 dias

Texto de autoria de Carol Castro, publicado originalmente em Superinteressante


Um sonho: três dias de descanso por semana, sem nem pensar em trabalho. É muito mais justo. Teríamos 42% do nosso tempo semanal livre – e não apenas 28%, como acontece. A vida seria bem mais feliz e as pessoas muito menos chatas. E digo mais: a ciênciaconcorda. Confira abaixo três estudos que comprovam que o fim de semana deveria mesmo ter três dias.

Continue lendo “Por que o fim de semana deveria ter 3 dias”