Multimídia

Série O Poder da Palavra: Profetiza

Anúncios
Multimídia

Série O poder da Palavra: A origem

Multimídia

Perdoe Já

Multimídia

Deus é pai

Artigos

Sugestões para os 500 anos da Reforma – parte 3: vestimentas

A pedido da Aliança de Igrejas Presbiteriana e Reformadas da América Latina – AIPRAL, escrevi a seguinte sugestão de vestimentas para as celebrações dos 500 anos da Reforma Protestante.

Com as festividades dos 500 anos da Reforma Protestante, nossa ideia quanto às vestimentas não é estabelecer uma regra única, ou um modelo único, mas sim apresentar quatro sugestões que perpassam a história da fé reformada desde seu início até os dias de hoje e que, acreditamos, devam ser representadas nas celebrações. A ideia é que na celebração dos 500 anos não se tenha uma uniformidade de vestimentas, mas sim a diversidade histórica e litúrgica, tão característica de nossas comunidades latino-americanas.

Litúrgico

A ideia é que a pregadora ou pregador da celebração esteja trajando a vestimenta litúrgica tradicional reformada. Toga, estola, gola clerical. A toga deve ser a modelo genebrina, preferencialmente na cor preta, conforme a usada por João Calvino. A estola sugerimos o uso da cor vermelha, própria para as festividades. No entanto, se pode usar uma estola multicor ou branca com símbolos reformados. A gola clerical pode ser usada a tradicional ou a que possui duas faixas brancas para baixo. Não estimulo o uso da gravata por pregadores, no caso desta celebração específica, por estarmos fazendo referência aos primórdios da Reforma. Demais componentes da mesa, que não seja a pregadora ou pregador, podem usar togas das mais variadas cores e estolas na cor vermelha, própria para as festividades.

Tradicional

É salutar que os componentes da mesa da celebração expressem a diversidade histórica das Igrejas Reformada, assim, ao invés de estimular uma única forma de vestimenta, sugerimos que pastores e pastoras procurem expressar em suas vestes a historicidade da fé reformada. O uso do terno com gola clerical ou gravata pelos pastores, ou tailleur pelas pastoras, é parte da história de muitas de nossas comunidades latino-americanas. Igrejas mais tradicionais e menos litúrgicas fazem uso de tal vestimenta e devem estar representadas.

Contemporâneo

Recentemente muitos pastores e pastoras têm usado apenas a camisa clerical, às vezes até sem o clerigma, e uma calça social ou de sarja. Outros tipos de vestimenta, como camisas xadrez e calça jeans, ou outros modelos que pastores e pastoras vem adotando não devem ser proibidos. Tal uso deve ser estimulado visando expressar nossa diversidade litúrgica.

Contextualizada

Uma das principais características da Igreja Reformada na América Latina é sua contextualização cultural. Assim, é salutar que comunidades inseridas em contextos culturais específicos sejam representadas conforme sua realidade cultural.

Concluindo

O objetivo, conforme dissemos no início deste texto, não é criar uma regra a ser seguida, mas contemplar a diversidade. Estimulo você a dialogar com a comunidade e as comunidades que participarão das celebrações, visando representar o máximo possível a diversidade de nossa fé em nossa região. Uma conversa preliminar com pastoras e pastores também se faz necessária para estabelecer a liberdade e a linearidade dos que participarão das celebrações. Desejamos que nossas Igrejas, mais que celebrar a história, se vejam como parte dela, da construção da fé reformada na América Latina.

Reverendo Giovanni Campagnuci Alecrim de Araújo
Secretário de Música e Liturgia de IPIB
Pastor da IPI de Araraquara, SP
sml@ipib.org – gcalecrim@gmail.com


Texto escrito para coluna mensal da Secretaria de Música e Liturgia da IPIB em O Estandarte.