Conto e Crônica

Sorriso

smile-122705_1280

Em silêncio, à distância, contemplo o teu sorriso. Tanto a dizer. Nada a falar. Tanto a sonhar. Sonhar. É o que tenho podido fazer. Sonhar com você, seu abraço, seu sorriso, seu olhar. Há tanto barulho em mim. Ruídos de desamor, de egoísmos, de indiferença. Mas em meio aos ruídos da minha alma, seu sorriso abriu caminho, entrou devagar, iluminando meu interior, afastando a escura solidão, acabando com o gris da indiferença e me trazendo paz. Seu sorriso me dá paz. Paz. Muita paz. Em silêncio contemplo você me inundando de paz.

A cena parece não mudar. Quanto tempo passou depois que eu comecei a te contemplar? Um minuto? Dez? Vinte? Uma hora? O que importa? Ver-te assim, linda, fez meu corpo inteiro estremecer. O sorriso veio fácil em minha boca. Sorriso de satisfação, de desejo, de paixão. Teu sorriso me cativa, faz minha alma renascer. Como eu queria seu sorriso sorrindo para mim. Como que queria seu sorriso me dominando por completo. Queria. Queria. Querer. Querer nem sempre é poder. Por isso sonho. Por isso escrevo. Por isso choro.

Canções me vem à mente. De repente, você curte as mesmas canções que eu, os mesmos assuntos, as mesmas ideias. De repente, o sorriso tá mais vivo, brilha mais, me encanta mais. De repente. Como eu queria, de repente, mudar o mundo, revirar a história, recontar a vida. Como calar os olhos que insistem em buscar teu sorriso? Como calar a razão que insiste em dizer “não-sim”? Como calar o coração que insiste em sussurrar seu nome, no meio da noite, quando o travesseiro acolhe minhas lágrimas pela dor que sinto e que, não se preocupe, não foste tu que causaste?

Mas eu continuo ali, parado, contemplando a cena. O sorriso. Precisa mais que um sorriso para mudar meu dia? Quantos sorrisos teu eu já contemplei? Quantas vezes, inquieto, esperei você? Você não veio. Você veio. Se estás, o sorriso me acolhe. Se não estás, a lembrança do teu sorriso me conforta. Agora mesmo, no meio do ruído da cidade, entre uma demolição e uma conversa por um punhado de dólares, estou aqui, vendo outros sorrisos e me lembrando apenas do seu sorriso, do seu olhar, da sua voz, do seu jeito, de você. O teu nome pulsa em mim. O teu nome corre em minhas veias.

Coração bagunçado esse o meu. Estava de boa, calado, adormecido e entorpecido pela certeza do silêncio e da desilusão de uma espera que se desenha eterna. Agora está inebriado pelo seu sorriso, imerso em você, desejoso de ter você. Coração bagunçado, insatisfeito, mas ainda assim desejoso. Parece que não há mais saída, terei que conviver com a bagunça que tomou conta de mim, começando pelo coração que foi arrebatado pelo teu sorriso, iluminado por ele, alcançado por ele.

A luz do dia, final de tarde, batia sobre seu rosto. O seu sorriso, suave e constante, conversando e saboreando algo, me cativava na mesma medida que me acolhia, me prendia na mesma medida que me libertava, me seduzia na mesma medida que me aconchegava. Como deixar de olhar para esse sorriso? A grama, a árvore, a luz do sol, a pele, o sorriso, você. Queria congelar a cena. Tudo é luz. Tudo é poesia. Tudo é você.

Anúncios

Deixe um comentário

Faça o login usando um destes métodos para comentar:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.