Sermões

Deus fala: A palavra

1No princípio, Deus criou os céus e a terra. 2A terra era sem forma e vazia, a escuridão cobria as águas profundas, e o Espírito de Deus se movia sobre a superfície das águas. 3Então Deus disse: “Haja luz”, e houve luz. 4E Deus viu que a luz era boa, e separou a luz da escuridão. 5Deus chamou a luz de “dia” e a escuridão de “noite”. A noite passou e veio a manhã, encerrando o primeiro dia.

6Então Deus disse: “Haja um espaço entre as águas, para separar as águas dos céus das águas da terra”. 7E assim aconteceu. Deus criou um espaço para separar as águas da terra das águas dos céus. 8Deus chamou o espaço de “céu”. A noite passou e veio a manhã, encerrando o segundo dia.

9Então Deus disse: “Juntem-se as águas que estão debaixo do céu num só lugar, para que apareça uma parte seca”. E assim aconteceu. 10Deus chamou a parte seca de “terra” e as águas de “mares”. E Deus viu que isso era bom. 11Então Deus disse: “Produza a terra vegetação: toda espécie de plantas com sementes e árvores que dão frutos com sementes. As sementes produzirão plantas e árvores, cada uma conforme a sua espécie”. E assim aconteceu. 12A terra produziu vegetação: toda espécie de plantas com sementes e árvores que dão frutos com sementes. As sementes produziram plantas e árvores, cada uma conforme a sua espécie. E Deus viu que isso era bom. 13A noite passou e veio a manhã, encerrando o terceiro dia.

14Então Deus disse: “Haja luzes no céu para separar o dia da noite e marcar as estações, os dias e os anos. 15Que essas luzes brilhem no céu para iluminar a terra”. E assim aconteceu. 16Deus criou duas grandes luzes: a maior para governar o dia e a menor para governar a noite, e criou também as estrelas. 17Deus colocou essas luzes no céu para iluminar a terra, 18para governar o dia e a noite e para separar a luz da escuridão. E Deus viu que isso era bom. 19A noite passou e veio a manhã, encerrando o quarto dia.

20Então Deus disse: “Encham-se as águas de seres vivos, e voem as aves no céu acima da terra”. 21Assim, Deus criou os grandes animais marinhos e todos os seres vivos que se movem em grande número pelas águas, bem como uma grande variedade de aves, cada um conforme a sua espécie. E Deus viu que isso era bom. 22Então Deus os abençoou: “Sejam férteis e multipliquem-se. Que os seres encham os mares e as aves se multipliquem na terra”. 23A noite passou e veio a manhã, encerrando o quinto dia.

24Então Deus disse: “Produza a terra grande variedade de animais, cada um conforme a sua espécie: animais domésticos, animais que rastejam pelo chão e animais selvagens”. E assim aconteceu. 25Deus criou grande variedade de animais selvagens, animais domésticos e animais que rastejam pelo chão, cada um conforme a sua espécie. E Deus viu que isso era bom. 26Então Deus disse: “Façamos o ser humano à nossa imagem; ele será semelhante a nós. Dominará sobre os peixes do mar, sobre as aves do céu, sobre os animais domésticos, sobre todos os animais selvagens da terra e sobre os animais que rastejam pelo chão”.

27Assim, Deus criou os seres humanos à sua própria imagem, à imagem de Deus os criou; homem e mulher os criou.

28Então Deus os abençoou e disse: “Sejam férteis e multipliquem-se. Encham e governem a terra. Dominem sobre os peixes do mar, sobre as aves do céu e sobre todos os animais que rastejam pelo chão”.

29Então Deus disse: “Vejam! Eu lhes dou todas as plantas com sementes em toda a terra e todas as árvores frutíferas, para que lhes sirvam de alimento. 30E dou todas as plantas verdes como alimento a todos os seres vivos: aos animais selvagens, às aves do céu e aos animais que rastejam pelo chão”. E assim aconteceu.

31Então Deus olhou para tudo que havia feito e viu que era muito bom.

A noite passou e veio a manhã, encerrando o sexto dia. (Gênesis 1)

O texto de Gênesis 1 é bastante conhecido. Gênesis 1 é um dos focos principais dos debates entre criacionistas e evolucionistas, e mais recentemente, tendências que tendem a dialogar entre ambos sobre a origem do universo. Se você quiser saber minha opinião, vamos marcar um café e conversarmos. Voltando a falar de Gênesis, curiosamente o título do livro em português é uma herança da Septuaginta, tradução do Antigo Testamento para o grego. O livro foi compilado para explicar a origem da história e mostrar como Deus agiu nos primórdios de sua revelação ao povo que ele escolheu. Autoria? Eis aí uma grande incógnita. Os mais conservadores atribuem à Moisés sua autoria, mas não sua redação final, que viria a acontecer anos mais tarde. Este é outro assunto que podemos conversar tomando um café.

O relato da criação merece uma atenção especial não tanto pela literalidade, ou não, pela qual se deve tomar tais palavras, mas sim pela riqueza de um conteúdo que os debatedores do texto deixam de lado. O fato de Deus criar a partir do nada, sem se confrontar com outro deus, sem uma guerra cósmica, pelo poder de sua palavra é que ele cria tudo, absolutamente tudo. O mover de Deus em Gênesis 1 é a expressão de sua personalidade criadora e amorosa. “Então disse Deus”. “E viu Deus que era bom”. Ele cria e aprecia sua criação. Ele faz tudo conforme seu querer, e seu querer é bom.

Quando pensamos nesta série de mensagens, tínhamos em mente o fato de que a maioria de vocês sabe que Deus fala. Pelo menos é o que penso, pois se você é de fato um cristão, você saberá que ele fala pois você conversa com ele. No entanto, muitos de nós, tomados pela sistematização de nossa relação com Deus, pode ser levado a crer que Deus está mudo. O desafio desta série é mostrar a você que ele fala, e isto faz toda diferença em nossas vidas. Assim, hoje vamos falar sobre a característica da palavra de Deus, que é criadora e sempre se cumpre eficazmente.

Sua palavra é criadora

Gênesis 1 revela uma verdade sobre a qual deve repousar nossa fé: a palavra de Deus é criadora. Sua característica criadora, no entanto, não está confinada em Genesis 1. Criar é trazer à existência e, neste conceito, podemos dizer que a ação criadora de Deus traz à existência, diariamente, pessoas que antes andavam em direção à morte, mas são alcançadas pela graça de Deus, graça que nos são apresentadas pela palavra. É o que versa a Confissão de Fé de Westminster: Ainda que a luz da natureza e as obras da criação e da providência manifestam de tal modo a bondade, a sabedoria e o poder de Deus, que os homens ficam inescusáveis, contudo não são suficientes para dar aquele conhecimento de Deus e de sua vontade, necessário à salvação; por isso, foi o Senhor servido, em diversos tempos e diferentes modos, revelar-se e declarar à sua igreja aquela sua vontade; depois, para melhor preservação e propagação da verdade, para o mais seguro estabelecimento e conforto da igreja contra a corrupção da carne e malícia de Satanás e do mundo, foi igualmente servido fazê-la escrever toda. Isso torna indispensável a Escritura Sagrada, tendo cessado aqueles antigos modos de revelar Deus a sua vontade ao seu povo. (Confissão de Fé de Westminster, Capítulo I, item I). O que a Confissão de Fé nos revela é que é pela palavra que se tem acesso ao conhecimento necessário para salvação. Palavra criadora que nos traz para a vida.

A Palavra criadora é que traz vida na terra, e se faz vida na terra. O verbo que se torna carne é a expressão de Deus criador feito gente, como a gente, para viver aqui e por nós morrer e se entregar. Jesus manifesta este poder criador da Palavra de Deus em curas e milagres, na manifestação do poder sobre a criação, sobre o ser humano e sobre o mundo espiritual. Ele é a própria ação criadora de Deus em movimento, revelando a vontade de Deus em cada ato, gesto e atitude. Sua ação aqui foi para manifestar o amor do Pai e ser obediente e fiel a ele, nos ensinando o que é viver de verdade. A palavra feito gente, o verbo feito carne, é a expressão exata da ação criadora de Deus.

Ao tomarmos consciência de que a Palavra de Deus é criadora, precisamos agir, ou melhor, reagir a ela. Tão rica fonte de vida deve ser proclamada. Não podemos achar que se pode terceirizar a proclamação do Evangelho. Deus nos chama para a vida e ele o faz por meio de sua Palavra, revelando sua vontade e como viver de verdade. Não podemos nos calar diante de tão grande missão. É necessário testemunhar, isto inclui atitudes, comportamentos e palavra. Para tal, é preciso se aproximar da Palavra, conhecer e entender a voz de Deus em nós, em nosso coração e mente. Entrar em contato com a palavra nos trará dúvidas e questionamentos, mas devemos ter uma convicção: a palavra sempre é cumprida eficazmente.

Sua palavra é sempre cumprida eficazmente

Se Gênesis 1 revela a verdade confortante de que a palavra de Deus é criadora, ele também revela outra verdade sobre a qual nossa fé precisa repousar: sua palavra sempre se cumpre eficazmente. E isto Gênesis 1 nos revela numa fórmula literária bastante interessante: “Então disse Deus”. “E viu Deus que era bom”. Conforme ele ia criando, ele verificava o cumprimento de sua Palavra, e isto o agradava. O que Gênesis 1 quer nos mostrar é que, desde o início dos tempos, a Palavra dita por Deus se cumpre e isto se desdobra ao longo do relato bíblico. Tudo o que Deus diz que iria acontecer, aconteceu. Da advertência a Adão e Eva sobre o fruto da árvore até o aviso a Noé do dilúvio. Do chamado de Abraão até a promessa de que ele e Sara teriam um filho. Isto apenas para citar os textos subsequentes de Gênesis. Poderíamos adentrar no relato bíblico e vamos encontrar a verdade invariável de que a Palavra dita por Deus se cumpre. Jesus, ao exercer seu ministério, carrega com ele este atributo. Tudo o que ele diz, se cumpre. Uma de suas promessas é o Espírito Santo, que nos é dado para “lembrar tudo que eu lhes disse”, segundo Jesus disse em João 14.26: “Mas quando o Pai enviar o Encorajador, o Espírito Santo, como meu representante, ele lhes ensinará todas as coisas e os fará lembrar tudo que eu lhes disse”. Percebem como a Trindade toda manifesta o poder criador da Palavra e que esta Palavra, quando dita, se cumpre sem nenhum obstáculo que possa detê-la?

A verdade de que a palavra dita por Deus se cumpre deve nos levar a buscar ouvir a voz de Deus com mais frequência, para sermos orientados, confortados, consolados e transformados por ela. A Palavra que dá vida é a palavra que nos transforma de viajantes para a morte em proclamadores da vida eterna, enquanto para ela caminhamos. O ato de nos aproximarmos mais da palavra nos trará, em determinados momentos, questionamentos. É onde muitos se perdem, pois esperam feitos mirabolantes, espetaculares, quando na verdade a própria palavra a explica, como nos afirma a Confissão de Fé de Westminster: A regra infalível de interpretação da Escritura é a mesma Escritura; portanto, quando houver questão sobre o verdadeiro e pleno sentido de qualquer texto da Escritura (sentido que não é múltiplo, mas único), esse texto pode ser estudado e compreendido por outros textos que falem mais claramente. (Confissão de Fé de Westminster, Capítulo I, item IX). O que a Confissão de Fé nos revela é que na própria Palavra encontramos respostas para os questionamentos acerca dela. Escutar a voz de Deus requer de nós dedicação. Sua palavra é o norte, nosso caminho para compreender o que ele quer para nós. Quando surgirem questionamentos na sua caminhada de fé, não hesite em orar e buscar na palavra a resposta para suas dúvidas. Saiba que muitas coisas viveremos pela fé, mas saiba que a Palavra de Deus nos guia e nos orienta acerca de tudo o que precisamos para a vida.

Conclusão

Deus fala. Tal verdade deve ser por nós vivida. Sua palavra é fonte de vida. Deus cria a partir de sua palavra. Tudo o que diz gera vida, transforma a morte e o nada em vida. Por isso, dedique-se à Palavra de Deus e abra seu ouvido e mente para o que ele diz. Saiba reconhecer seus erros, suas falhas e saiba que a Palavra de Deus nos orienta neste processo de arrependimento e transformação de nossas vidas. Quando Deus fala, nada mais fica como era. Tudo se cria. Tudo se transforma.

Quando Deus fala, sua palavra se cumpre eficazmente. Desde a criação, passando por toda a história do relato bíblico, vamos encontrar a Palavra de Deus se cumprindo em cada momento. Suas promessas, não ficaram em apenas palavras ditas, soltas. Elas se cumpriram. Jesus também falou ensinando, curando, movendo a natureza e prometendo que ressuscitaria e enviaria o Consolador. Suas palavras se cumpriram. Ele prometeu que voltará. Esta palavra se cumprirá. Maranata! O Espírito Santo nos faz lembrar de tudo o que Jesus nos ensina. É o Espírito Santo que nos revela a vontade de Deus e nos conforta, orienta e capacita.

Que hoje você possa compreender que a Palavra de Deus é essencial para vida do Cristão. Ela é um dos meios de graça pelos quais Deus fala conosco. Ela é onde encontramos a vontade de Deus expressa. Não negligencie a Palavra de Deus. Compreenda que ele deseja falar com você, ao seu coração, para expressar o quanto ele te ama e deseja tê-lo por perto. Ele não está calado. Ele não está distante. Ele não manda recado. O fato é que Deus fala. No entanto, Deus não faz monólogo. Ele fala para que possamos reagir, e assim, conversarmos com ele. É sobre isso que falaremos na próxima mensagem.

Reverendo Giovanni Alecrim
Pastor da Igreja Presbiteriana Independente do Brasil

Anúncios

Deixe um comentário

Faça o login usando um destes métodos para comentar:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s