Poesia

Penhasco

Entre montanhas,
à beira do penhasco,
o eco da solidão
reverbera em meu coração.
A neblina me tapa a vista.
A garoa me molha o corpo.
E a esperança de te ter
me faz caminhar à beira do penhasco.

Nada será como antes.
Mas não deixo de querer.
Nada será como antes.
Mas não deixo de sonhar.

Não me tire de você…

Anúncios

Deixe um comentário

Faça o login usando um destes métodos para comentar:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.