Sermões

Evangelize! Quem?

8Na verdade, diz: “A mensagem está bem perto; está em seus lábios e em seu coração”. E essa mensagem é a mesma que anunciamos a respeito da fé: 9se você declarar com sua boca que Jesus é Senhor e crer em seu coração que Deus o ressuscitou dos mortos, será salvo. 10Pois é crendo de coração que você é declarado justo, e é declarando com a boca que você é salvo. 11Como dizem as Escrituras: “Quem confiar nele jamais será envergonhado”. 12Nesse sentido, não há diferença entre judeus e gentios, uma vez que ambos têm o mesmo Senhor, que abençoa generosamente todos que o invocam. 13Pois “todo aquele que invocar o nome do Senhor será salvo”. Romanos 10.8-13

O trecho que lemos faz parte de um grande um bloco onde Paulo argumenta aos romanos sobre como a soberania de Deus é estendida a todas as pessoas e como os judeus rejeitaram o Messias. Ele fala sobre a responsabilidade dos judeus por rejeitarem Jesus e a justiça de Deus. É do argumento de Paulo que retiramos o trecho do verso oito ao treze para nossa mensagem. Neste trecho, o apóstolo mostra a importância de se confessar e declara com a boca, ou seja, falar que Jesus é o senhor para a salvação. É importante ressaltar que “tanto a confissão quanto a fé são os meios pelos quais Deus salva; elas não são a base sobre a qual ele faz” (Comentário da Bíblia de Genebra). Explicando: A salvação é pela graça, por meio da fé, e é pela proclamação que ela é confirmada. Quem é salvo, proclama, quem não é, não proclama. Quem é salvo, evangeliza. Quem não é, não evangeliza.

A evangelização é a marca da Igreja. Desde a ressurreição de Jesus, com Maria e as demais mulheres, passando pelos apóstolos, pelos pais da Igreja, e gerações e gerações de cristãos, a evangelização é a marca visível de todos os que creem. Até mesmo nós, calvinistas, que somos tidos como frios na evangelização, temos como marca o evangelismo. O próprio João Calvino enviou para o Brasil, ainda em 1557 enviou missionários ao Brasil que celebraram o primeiro culto protestante das américas em 10 de março daquele ano. A IPI do Brasil cresceu e se desenvolveu com base na ação missionária. É quando agimos de forma missionária é que vemos o quanto o Espírito Santo age na vida da Igreja.

Quando pensamos nesta série de mensagens, começando no domingo da Páscoa e se estendendo por mais dois domingos, o objetivo é que ela desperte em seu coração e mente a consciência de que a evangelização é uma necessidade urgente e ela se inicia antes da grande comissão, quando Jesus ressuscita. Esta é a mensagem que anunciamos. Esta é a boa nova, o evangelho, que pregamos e testemunhamos. É função de todos os cristãos a proclamação do evangelho. Assim, na mensagem de hoje, falaremos sobre quem, pessoas ou grupos, devemos evangelizar.

No livro “A treliça e a videira: a mentalidade de discipulado que muda tudo”, da Editora Fiel, Colin Marshal e Tony Payne apresentam três formas pelas quais o cristão pode se envolver em falar a palavra de Deus um a um, em grupos pequenos e em grupos maiores. É a partir da tabela de Marshal e Payne que retiro as diretrizes para evangelização que passo a falar agora. Em primeiro lugar um a um, depois em grupos menores e por fim em grupos maiores. Em todas essas esferas, serão apresentadas ideias para você fazer no lar, na Igreja e na comunidade.

Um a um

Como falar de Cristo no seu lar. Você pode começar com o mais simples: lendo a Bíblia e orando com quem mora com você. Precisa ser todo dia? Pode ser que você não consiga fazer todo dia. Comece uma vez por semana. Persevere. Aumente para duas vezes por semana e persevere, assim, quando menos perceber, estará realizando um momento devocional diário. Procure colocar a Bíblia nas conversas diárias, do cotidiano em sua casa. Para os parentes mais distantes, escreva uma carta, contando como está a sua vida e como Jesus tem direcionado e sustentado as decisões da sua casa.

Como falar de Cristo na Igreja. Temos incentivado você a convidar seus amigos e parentes para que venham à Igreja. Para receber e acolher estas pessoas, necessitamos, com urgência, montarmos uma equipe de recepção. Esta equipe acolhe, orienta, se assenta ao lado dos visitantes, mostra a eles como o culto acontece, ajuda com os cânticos e as leituras bíblicas. Além de acompanhar quem nos visita, você pode acompanhar novos cristãos se capacitando para discipular, caso ainda não esteja pronto para discipular alguém, você pode se comprometer semanalmente a se encontrar com um novo cristão e orar e ler a Bíblia, ensinando como fazer uma devocional.

Como falar de Cristo na comunidade. Comece por convidar pessoas para os eventos da Igreja. Há alguns meses atrás, disse à liderança da nossa Igreja, que todo e qualquer evento que façamos, o alvo é convidar pessoas que não conhecem a Cristo para estarem aqui. Assim, no concurso culinário, eu vou convidar meu amigo não crente a estar aqui e saborear os pratos. No dia do pastel, vou convidar meu vizinho para comer um pastel por minha conta. E assim, no meio da sua comunidade, no trabalho, na escola, você cria oportunidades para atrair as pessoas para conhecer a Cristo em nossas atividades.

Isso é como você pode, no um a um, falar de Cristo. Vejamos agora como fazer com um pequeno grupo.

Grupos pequenos

Como falar de Cristo no seu lar. Já falamos do culto doméstico, que por si só já é um grupo pequeno. Mas você pode ampliar seu grupo convidando, uma vez por mês, uma família amiga para participar com vocês do culto doméstico. Além disso, você pode organizar, uma vez por mês, uma noite da pizza, incentivando a todos os da casa a trazer um amigo não cristão para estar lá e incluir a Bíblia em suas conversas. Caso você seja o único cristão da sua casa, convide amigos cristãos a estarem na sua casa para bater papo, dividir um bolo e um café, conversar sobre assuntos que envolva a Palavra de Deus.

Como falar de Cristo na Igreja. Como se envolver e fazer com que Cristo seja sentido em grupos maiores. Lembra que falei à pouco de ter uma equipe de recepção. Imagina promover, uma vez por semana, um encontro convidando o visitante para tomar um café e ouvir uma palavra aprofundando o tema da mensagem daquele domingo? Ou quem sabe você assumir o compromisso de iniciar um grupo de estudo da Palavra para as pessoas que vêm ao Conte Comigo? São oportunidades ricas para vivermos o evangelho e falarmos do amor de Deus.

Como falar de Cristo na comunidade. Você pode desenvolver um trabalho de evangelização no seu ambiente de trabalho, na sua escola, na escola de seu neto. Já pensou em reunir com seus colegas de trabalho, uma vez por semana, por dez minutos, na hora do almoço, para lerem um devocional e orar? E montar um grupo, na sua rua, com pessoas que passam o dia em casa, para fazerem atividades físicas numa praça e, antes e depois, orar e ler uma devocional? Há muito o que ser feito nos lugares em que vivemos e convivemos com as pessoas.

Isso é como você pode, num grupo menor, falar de Cristo. Vejamos agora como fazer com grupos maiores.

Grupos maiores

Como falar de Cristo no seu lar. Quando sua família se reúne, num aniversário ou num almoço daqueles de família, com mesa farta, se você tem a oportunidade, faça uma oração, dê uma palavra breve, dois minutos, sobre como Deus tem abençoado e sustentado sua família. É uma rica oportunidade de mostrar aos não cristãos de sua família como Deus age e une a todos. Em festividades como Natal, crie jogos que envolvam todos, revelando o verdadeiro sentido do Natal, falando assim de Cristo e como Deus nos ama. Seja criativo, haverá sempre oportunidades para você testemunhar do amor de Deus.

Como falar de Cristo na Igreja. Na igreja você tem algumas boas oportunidades para falar de Cristo. Você pode estudar e criar um curso de quatro domingos, para a Escola Dominical, e convidar seus amigos com o pretexto de te “prestigiar”. É apenas uma ideia de como você pode abençoar a vida da igreja com seu conhecimento e atingir pessoas com seu testemunho. Claro que para isso você vai orar, vai se capacitar, vai se reunir com o pastor, compartilhar a ideia, os temas, como vai ser feito. Vai planejar, fazer convites, atrair pessoas para participar. Incentivar os membros a convidar amigos a virem. Uma sequência de aulas especiais como oportunidade para se falar do amor de Deus.

Como falar de Cristo na comunidade. Uma estratégia que vem sendo usada com muito sucesso por igrejas espalhadas pelo nosso país são os ministérios de homens e ministério de mulheres. Basicamente, são encontros periódicos (mensais, quinzenais ou semanais) com um café da manhã, chá da tarde, ou lanche, onde se conversa sobre temas relevantes do dia a dia. A comida é o pretexto, a palestra, a conversa é o que interessa. Outra estratégia é a Escola de Pais. Diante de tantos desafios de se criar os filhos, muitos pais estão confusos e uma estratégia como a Escola dos Pais é preciosa demais. Ministério com homens, ministério com mulheres, Escola dos Pais, entre outras estratégias carecem de pessoas apaixonadas pelo Evangelho e dispostas a doar do seu tempo para a causa de Cristo.

Conclusão

Concluindo. Diz o nosso texto “Pois é crendo de coração que você é declarado justo, e é declarando com a boca que você é salvo”. Paulo sintetiza o que é evangelizar. Não adianta insinuar, não adianta compartilhar imagem bonita na internet, não adianta demonstrar, é preciso pregar, é preciso declarar com a boca que Jesus veio para nos dar vida. As oportunidades são muitas. Para todos os exemplos que dei aqui existe um fator que é determinante: o quanto você ama a Deus acima de todas as coisas e o próximo como a si mesmo. Se você ama a Deus, amará a si mesmo e ao próximo. Isto o moverá a fazer o possível para cumprir a missão deixada por Jesus a cada um de nós.

Somos intimados a evangelizar. A evangelização é função da Igreja. A prática da evangelização fará com que cumpramos nossa função de praticar e viver as boas obras. O que esperamos, como cristãos, é sermos achados fieis diante de Deus. Tal fidelidade só é possível sendo obedientes. Você evangeliza? Evangelizar trará crescimento para a Igreja, mas trará também crescimento para sua vida e sua relação com Deus e, por consequência, com o próximo. Toda vez que a igreja foi fiel na evangelização, os frutos foram visíveis: transformação ética, moral, saúde física e espiritual, relacionamentos e todas as áreas da vida das pessoas. Quando o verdadeiro evangelho é vivido, a evangelização é uma prática natural na vida do cristão, por mais tímido e introspectivo que a pessoa seja.

Ao terminar esta série, o desejo do meu coração é que você desenvolva na sua vida o hábito de evangelizar. Falar do amor de Deus deve ser uma atitude natural do cristão. Ter a sensibilidade do quando falar, como falar com quem falar é obtido pela relação com diária com Deus e em comunhão com os santos. Evangelize! Este é o desafio para você! Evangelize, pois Jesus nos mandou anunciar o evangelho. Evangelize, pois o crente verdadeiramente salvo por Cristo é obediente ao seu Senhor. Evangelize, pois esta é a nossa missão!

Reverendo Giovanni Alecrim
Pastor da Igreja Presbiteriana Independente do Brasil

Anúncios

Deixe um comentário

Faça o login usando um destes métodos para comentar:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s