Conto

Minha sina

Passo horas olhando para o teclado. Tento encontrar a palavra para descrever o impacto que causa em mim quando penso em você. Ainda não consegui definir quem de nós dois é o mais egoísta. Você tem meus textos, meus versos, minha alma. E eu? O que tenho? A lembrança de um nascer do sol, a memória de um brilho no olhar e algumas poucas confissões. Essa que é a verdade. Eu sempre me entreguei mais que você. Eu sempre recuei quando você pediu. Eu sempre atendi o que você me pedia. Eu sempre fui submisso. Você nunca me respeitou por isso.

Tudo que eu queria era um sinal de vida, um “alô”, um “oi”, um “estou bem nos braços de alguém”, mas o que tenho é o desprezo. Reclamo? Não, apenas constato. Você me seduziu, me consumiu, me feriu. Tudo com a intensidade que uma grande paixão proporciona. Tudo com a dor que uma grande paixão pode causar. E o que restou? Dor, dor e mais dor. Tudo dói. A ausência a socar meu estômago, a indiferença a chutar minha cara, o desprezo a levar-me ao chão. Dói, sabia? Mas essa dor eu não quero para você. Essa dor é minha. Eu não revido. É minha sina carregar a dor que me você me causa.

Daí um dia você volta, conta uma história qualquer e me beija. Que merda! Eu me entrego a um beijo como se toda a dor fosse nada. Como se você soubesse tudo da minha vida. Eu não sei nada de você! Você vasculha minha vida, domina meus pensamentos e não se deixa revelar em nada para mim. Daí eu me perco em meus sonhos, devaneios de quem tece suas próprias teias de paixão e amor mal resolvidos e termina como vítima de si mesmo. Tento respirar. Ainda procuro a palavra para descrever o impacto disso tudo. Só me vem seu nome à mente. Tudo o que eu queria era que você parasse e percebesse que o mundo não gira por você, que eu te quero agora e que essa ansiedade que te leva a me ferir é a ausência de um amor: o que falta em você sou eu.

Queria dizer que te amo, mas a dor que você me causa não deixa.

Queria dizer que te odeio, mas o amor que tenho por ti não deixa.


Escrita ao som de “Sei de mim” e “Pra você dar o nome”, nas doces vozes de Pedro Mariano e Luíza Possi

Anúncios

Deixe um comentário

Faça o login usando um destes métodos para comentar:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.