Conto

As duas Marias

O dia amanhecia e a cidade despertava. O que antes fora frio e concreto na madrugada de agosto, agora se convertia em luz de um sol que, se não esquentava, pelo menos clareava e amenizava o frio.


Os primeiros raios de sol entravam pela janela por entre a cortina do quarto, tocando suavemente a pele de seu rosto, única parte descoberta de seu corpo sobre a cama. Seu despertador começa a tocar a música programada na noite anterior. Lentamente, sentindo a luz em seu rosto, ela abre os olhos e se espreguiça. Levanta-se suavemente, alonga o corpo, e caminha em direção ao banheiro, abre o chuveiro e deixa a água esquentar o ambiente. Lava o rosto, escova os dentes, despe-se e entra no chuveiro. Deixa o sabonete deslizar por sua pele e curte a sensação de seu corpo despertar conforme se lava. Curte a água quente. Desliga o chuveiro. Seca-se e caminha, enrolada na toalha, até seu quarto. Abre o guarda roupa e escolhe uma camisa verde, separa a calça jeans que comprara na noite anterior, pega uma blusa de lã que ganhara do ex-namorado e separa sua bota de couro. Veste-se e fica feliz com o resultado, deixa a blusa de lã para quando sair. Volta ao banheiro, maquia-se, confere o resultado, suspira e volta para o quarto. Pega a blusa de lã, a bolsa e sai.


Os primeiros raios de sol entravam pela janela por entre a cortina do quarto, tocando suavemente a pele de seu rosto, única parte descoberta de seu corpo sobre a cama. Seu celular desperta e, num salto, ela pula da cama correndo em direção ao banheiro, abre o chuveiro e, com a água por esquentar, entra. Banha-se rapidamente e corre para o quarto, pega a roupa separada na noite anterior: uma calça jeans, uma camisa verde, uma blusa de lã “herdada de uma amiga do trabalho” e sua bota “de couro” comprada na última ida ao shopping, no sábado anterior. Veste-se, volta para o banheiro e tenta conferir o resultado no espelho. Penteia o cabelo, escova os dentes, passa batom, tenta disfarçar as olheiras e corre para pegar a bolsa deixada sobre a mesa na noite anterior.


O dia havia amanhecido há cerca de três horas quando em um edifício na Av. Ipiranga, no elevador, elas se encontram.

Bom dia Maria.

Bom dia Dna. Maria.

Reparou que estamos com a mesma combinação de cor, Maria?

Como assim Dna. Maria?

Veja, calça jeans, camisa verde e bota!

Olha só Dna. Maria, num tinha reparado!

Anúncios

Deixe um comentário

Faça o login usando um destes métodos para comentar:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.