Poesia

Payssandu ao largo

Neste Largo onde a cidade ferve,
as pessoas passam ao largo
e você de longe vem me ver.
Só quero olhar e sentir

A Ipiranga é testemunha.
A São João já nos viu.
A Rio Branco não se esquece.
Ah! Se este largo falasse…

Cada calçada do Payssandu,
cada esquina do centro ao seu redor,
já presenciaram nossos passos,
são testemunhas de nossos beijos, abraços.

Quem dera as horas não corressem…
Quem dera os ônibus não partissem…
Quem dera não tivesse aula…
Quem dera não tivesse que ir embora…

Ah se este Largo falasse…
Contaria nossa história
que não se lê nos livros.
Que só se lê em nossos corações.

Anúncios

Deixe um comentário

Faça o login usando um destes métodos para comentar:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.