Poesia

Ao amigo

De ti nada espero.
De ti nada quero.
De ti nada anseio.
De ti nada almejo.

De ti, caro amigo, não espero nada.
Pois se esperasse algo de ti,
seria como um comerciante ao anunciar um produto,
esperando um retorno,
como uma pessoa que presenteia a outra,
esperando o obrigado.

Nada espero de ti, para que nada espere de mim.
Nada espero de ti, para que nossa amizade floresça:
na luz da sinceridade, alimentada pelo amor que nos une;
na força da luta diária, crescendo como árvore bem plantada.

E mesmo que um dia os ventos nos carreguem como folhas,
um para cada canto, de ti, amigo, nada esperarei,
pois tenho a firme certeza que em nossos corações
marcas eternas de nossa amizade teremos,
das quais nos lembraremos, como bom amigos, com lágrimas e sorrisos,
pois, foi à custa de muitas lágrimas e de muitos sorrisos que lutamos.
tudo para que hoje, de peito estufado, possamos dizer:
sim, somos amigos!
obrigado, amigo.

Anúncios

Deixe um comentário

Faça o login usando um destes métodos para comentar:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.