Sermões

Quem é o meu próximo?

Esboço do sermão pregado na Igreja Presbiteriana Independente de Araraquara em 10 de julho de 2016, texto bíblico do 15º Domingo no Tempo Comum.


Introdução

  • Sociedade de consumo que induz ao individualismo
  • Somos levados aos relacionamentos impessoais
  • Como nos aproximarmos uns dos outros?
  • Como ser um auxílio na vida do nosso próximo?

Leitura Bíblica: Lucas 10.25-37

E eis que certo homem, intérprete da Lei, se levantou com o intuito de pôr Jesus à prova e disse-lhe: Mestre, que farei para herdar a vida eterna? Então, Jesus lhe perguntou: Que está escrito na Lei? Como interpretas? A isto ele respondeu:
Amarás o Senhor, teu Deus, de todo o teu coração, de toda a tua alma, de todas as tuas forças e de todo o teu entendimento;
e:
Amarás o teu próximo como a ti mesmo.
Então, Jesus lhe disse: Respondeste corretamente; faze isto e viverás. Ele, porém, querendo justificar-se, perguntou a Jesus: Quem é o meu próximo? Jesus prosseguiu, dizendo: Certo homem descia de Jerusalém para Jericó e veio a cair em mãos de salteadores, os quais, depois de tudo lhe roubarem e lhe causarem muitos ferimentos, retiraram-se, deixando-o semimorto. Casualmente, descia um sacerdote por aquele mesmo caminho e, vendo-o, passou de largo. Semelhantemente, um levita descia por aquele lugar e, vendo-o, também passou de largo. Certo samaritano, que seguia o seu caminho, passou-lhe perto e, vendo-o, compadeceu-se dele. E, chegando-se, pensou-lhe os ferimentos, aplicando-lhes óleo e vinho; e, colocando-o sobre o seu próprio animal, levou-o para uma hospedaria e tratou dele. No dia seguinte, tirou dois denários e os entregou ao hospedeiro, dizendo: Cuida deste homem, e, se alguma coisa gastares a mais, eu to indenizarei quando voltar. Qual destes três te parece ter sido o próximo do homem que caiu nas mãos dos salteadores? Respondeu-lhe o intérprete da Lei: O que usou de misericórdia para com ele. Então, lhe disse: Vai e procede tu de igual modo.

Explicação

Quanto ao Livro

  • Escrito entre 60-63dC.
  • Destinado aos cristãos de fala grega.
  • Autoria tradicionalmente atribuída a Lucas

Anterior ao texto

  • Jesus havia saído de Samaria
  • Havia, no caminho, posto à prova quem queria segui-lo
  • Enviado setenta discípulos a falar do evangelho
  • No regresso dos setenta, falava sobre a sua condição de salvador dos humildes quando entra o nosso texto

Posterior ao texto:

  • Marta e Maria
  • Oração dominical

Quanto ao texto escolhido.

  • Uma das mais conhecidas parábolas de Jesus. Hospitais e creches usam a imagem do bom samaritano como motivação de suas existências.
  • Intérprete da lei: Usado duas vezes nos evangelhos, refere-se a um especialista em interpretar a Lei de Deus, um escriba.
  • Que farei para herdar a vida eterna: uma pergunta recorrente na boca dos inquisidores, se repete em mais quatro passagens nos evangelhos.
  • A resposta do inquisidor foi dada por Jesus em Mateus 22.37-40
  • Faze isto e viverás: o cumprimento da Lei garantia vida, no entanto é impossível ao homem viver a integralidade da Lei. Amar a Deus implica em confiar nele para obter perdão e daí obter vida.
  • Quem é o meu próximo: a pergunta refere-se a uma interpretação quase que unânime em Israel de que o “próximo” eram somente os israelitas
  • Descia para Jerusalém: literalmente uma descida: cerca 1000m em 27km de extensão de estrada.
  • Dois denários: equivalente a dois dias de trabalho.
  • O próximo do homem que caiu nas mãos dos salteadores: para o intérprete da lei o próximo é aquele que tomava a inciativa para se aproximar dele. Aqui Jesus inverte essa lógica e mostra que o intérprete da lei tem que ser o próximo do outro.

 

Olhando para uma das mais conhecidas parábolas de Jesus, vamos procurar entender a pergunta quem é o meu próximo? Olhando para a palavra, olhando para o caminho e olhando para o ferido o encontraremos. Vamos então começar vendo que eu encontrarei o meu próximo.

Olhando para a Palavra

  • Leitura: versos 25-27
  • Frases de aplicabilidade:
    • Não devemos nos preocupar em provar nosso ponto de vista
    • Não devemos no preocupar só com a vida eterna
    • Não devemos ser apenas conhecedores da Palavra e da vontade de Deus
  • Aplicação: De que nos adianta todo o conhecimento da Palavra de Deus se não a vivermos? Por isso Jesus é taxativo: vai e procede tu de igual modo
  • Ilustração: Os debates inócuos que muitos cristãos se prendem ao invés de viver a Palavra.
  • Conclusão: O conhecimento da Palavra deve levar à prática da Palavra, caso contrário, seremos como o intérprete da lei, preocupados em encontrar desculpas para fundamentar nossa aconchegante inércia ante os necessitados do mundo.

Olhando para o caminho

  • Leitura: versos 30-33
  • Frases de aplicabilidade:
    • É preciso reconhecer os perigos do caminho
    • É preciso erguer a cabeça para ver além do umbigo
    • É preciso abandonar nossas posturas eclesiásticas para servir
  • Aplicação: O caminho da vida é repleto de perigos, mas também está repleto de oportunidades para amarmos o nosso próximo, revelando o amor de Deus.
  • Ilustração: O trabalho de um jovem que começou a cuidar de moradores de rua porque passava por eles diariamente a caminho do trabalho
  • Conclusão: Por focarem apenas no caminho o sacerdote e o levita não foram capazes de ter compaixão, é preciso desviar o olhar, contemplar as mazelas ao nosso redor e sermos agentes de transformação.

Olhando para o ferido

  • Leitura: versos 34-37
  • Frases de aplicabilidade:
    • Tirar os olhos do caminho e se compadecer do necessitado
    • Tirar os olhos da pureza religiosa e sujar as mãos para resgatar o necessitado
    • Tirar os olhos de nossa agenda e focar no necessário
  • Aplicação: Compadecer-se é a marca do cristão no mundo. Não podemos cauterizar nossa visão e pensamento com a avalanche de sofrimentos que há na sociedade.
  • Ilustração: Empresário que motivou sua família e amigos a apadrinharem mais de 80 crianças, dando a elas apoio emocional, psicológico, familiar, estudo e profissão para o futuro.
  • Conclusão: Olhar para o ferido é agir como Cristo agiu conosco: olhou com misericórdia e amor por nós e nos resgatou da morte para a vida. Pagou o preço e nos deu vida hoje e vida eterna.

Conclusão

  • Como nos aproximarmos uns dos outros? Erguendo a cabeça e parando de olhar para o nosso umbigo.
  • Como ser um auxílio na vida do nosso próximo? Começando a nos compadecer do sofrimento de nossos semelhantes.

Quem é o meu próximo?

  • Eu encontrarei o meu próximo olhando para a palavra. O conhecimento da Palavra deve levar à prática da Palavra, caso contrário, seremos como o intérprete da lei, preocupados em encontrar desculpas para fundamentar nossa aconchegante inércia ante os necessitados do mundo.
  • Eu encontrarei o meu próximo olhando para o caminho. Por focarem apenas no caminho o sacerdote e o levita não foram capazes de ter compaixão, é preciso desviar o olhar, contemplar as mazelas ao nosso redor e sermos agentes de transformação.
  • Eu encontrarei o meu próximo olhando para o ferido. Olhar para o ferido é agir como Cristo agiu conosco: olhou com misericórdia e amor por nós e nos resgatou da morte para a vida. Pagou o preço e nos deu vida hoje e vida eterna.

Reverendo Giovanni Alecrim
Pastor da Igreja Presbiteriana Independente do Brasil

Anúncios

Deixe um comentário

Faça o login usando um destes métodos para comentar:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

w

Conectando a %s