Celebre a vida!

Antes de ler a palavra é oportuno tecer algumas palavras sobre este momento para mim. Um misto de emoções se apresentam agora. Claro que os 70 anos de minha mãe são, por si só, motivo de grande emoção. No entanto, o fato de ocupar este púlpito, nesta igreja, é para mim um motivo de grande emoção. Igreja de minha mãe, meus avós e meus bisavós. Mesmo não tendo tido grande contato com a Igreja Presbiteriana de Alto Jequitibá, ainda assim, tenho por esta igreja um carinho enorme. Foi aqui que em abril de 1980 fui batizado, recebido no Corpo de Cristo e selado como pertencente a Deus. Tive a oportunidade de, em 2009, estar presente nas celebrações do centenário do 7 de setembro e oficiar parte da liturgia. Hoje, dia da Reforma Protestante, 498 anos, tenho a rica oportunidade de ocupar este púlpito para compartilhar com vocês a Palavra de Deus. Sou grato ao conselho e pastor da Igreja pela liberalidade e oportunidade, além da acolhida cristã, com que fui recebido. Muito obrigado.

Convido você a abrir sua Bíblia em Eclesiastes 9.4-10. Farei esta leitura na Tradução Contemporânea A Mensagem, mas você pode acompanhar na tradução que tiver em mãos.

Há mais uma coisa que descobri: quem foi escolhido para a vida tem esperança, pois, como dizem, “mais vale um cão vivo que um leão morto”. Os vivos pelo menos sabem alguma coisa, mesmo que saibam apenas que vão morrer. Mas os mortos nada sabem e não aprendem coisa alguma. Eles já se foram, e ninguém se lembra deles. Seus amores, seus conflitos e até seus sonhos há muito não existem. Não há sinal deles nos negócios desta terra.

Diante disso:
Aproveite a vida! Coma do bom e do melhor,
Aprenda a apreciar um bom vinho.
Sim, Deus tem prazer no seu prazer!
Vista-se toda manhã como se fosse para uma festa.
Não economize nas cores nem nos detalhes.
Aprecie a vida com a pessoa que você ama
Todos os dias dessa sua vida sem sentido.
Cada dia é um presente de Deus. É tudo o que se pode receber
Pelo árduo trabalho de se manter vivo.
Portanto, tire o máximo de cada dia!
Agarre cada oportunidade com unhas e dentes
E faça o melhor que puder.
E com prazer!
É sua única chance,
Pois, junto com os mortos, para onde você vai com certeza,
Não há nada a fazer nem haverá o que pensar.

O livro do Eclesiastes é uma tentativa do Pregador, o autor, em mostrar ao povo que toda e qualquer sabedoria tem como resumo uma verdade: temer a Deus e guardar seus mandamentos, mesmo que não venhamos a compreender a vontade de Deus. O tom do livro, muitas vezes, é de pesar e conformismo. Numa leitura rápida, há quem estranhe que o Eclesiastes seja, por vezes, tão pessimista quanto realista. O fato é que o Pregador foi um homem que teve tudo o que este mundo pode oferecer e, ao ter tudo, concluiu ser tudo como correr atrás do vento.

O trecho que lemos faz parte do terceiro ciclo do livro. Os versos 7 a 9 possuem correspondente na cultura babilônica, na Epopeia de Gilgamesh, um antigo poema épico da Mesopotâmia (atual Iraque). Acredita-se que sua origem sejam diversas lendas e poemas sumérios sobre o mitológico deus-herói Gilgamesh, que foram reunidos e compilados no século VII a.C. pelo rei Assurbanípal. Aqui, não vou discutir se o Pregador tomou emprestado os versos da epopeia ou vice-versa, mas sim nos determos neles, onde o autor aponta para a morte e tudo que envolve a mesma, principalmente, o que a antecede, ou seja, a vida. Falar da morte é falar da vida, e vice e versa. Mas numa noite festiva, como dar atenção aos versos iniciais e finais do texto que lemos? Estamos celebrando a vida! Exatamente! Celebrando a vida! E por isso mesmo, quero me deter nos versos 7 a 9 do nosso texto, para juntos com mamãe, celebrarmos.

Aproveite a vida!

Considerando o cenário dado pelo pregador, a situação era muito parecida com os nossos dias. Injustiças cercavam as pessoas por todo lado. Diante da injustiça, a esperança está na justiça de Deus, no Dia do Senhor, na vitória da vida sobre a morte. O que fazer, então, diante da injustiça? Revoltar-se? Lastimar-se? Entregar-se? O Eclesiastes propõe outra saída:

Aproveite a vida! Coma do bom e do melhor,
Aprenda a apreciar um bom vinho.
Sim, Deus tem prazer no seu prazer!
Vista-se toda manhã como se fosse para uma festa.
Não economize nas cores nem nos detalhes.

Aproveite a vida! Isso mesmo! Aproveite cada momento dela, desfrute-a com prazer e amor. Se existe alguém que aproveita a vida, este alguém é mamãe. Sou imensamente grato a Deus por tudo o que ele concedeu à vida de minha mãe, que tem vivido com intensidade sua vida. Aproveitando tudo que lhe é possível, indo onde lhe é possível ir, estando com pessoas que ama e quer bem.

O exemplo que fica para nós é o de aproveitarmos a vida, não importando muito o orçamento para isso. O Eclesiastes não diz: faça dívidas e tenha uma vida desregrada. Não, ele nos convida a aproveitar a vida de maneira consciente e com prazer, sem tormento, sem procurar cavar problemas que não teremos como resolver. Viva com prazer, pois Deus tem prazer no nosso viver! Não economize nas cores da vida nem deixe de lado os detalhes. Dona Rose sabe bem valorizar os detalhes.

Aprecie a vida!

Aproveite a vida, ou seja, desfrute dela, mas saiba também aprecia-la, ou seja, dar o devido valor a ela. Se as injustiças do mundo davam desânimo ao Eclesiastes, contemplar e valorizar a vida o colocava de volta nos pensamentos de Deus. Não há o que lamentar se a situação está ruim, há o que celebrar, e agradecer pela vida!

Aprecie a vida com a pessoa que você ama
Todos os dias dessa sua vida sem sentido.
Cada dia é um presente de Deus.
É tudo o que se pode receber
Pelo árduo trabalho de se manter vivo.
Portanto, tire o máximo de cada dia!

Aprecie a vida, é o que devemos fazer. A economia não está bem, o governo está ruim, a situação está complicada. A vida não se resume a eles. A vida é mais que mais uma crise econômica pela qual passamos. A vida é para ser vivida e apreciada com amor e dedicação, pois é um presente de Deus, por isso devemos aproveitar o máximo de cada dia.

Quem já viajou na companhia de mamãe sabe bem como ela aproveita o máximo cada dia da viagem, aprecia conhecer novos lugares e se envolver com projetos e sonhos. O exemplo que fica para nós é de uma pessoa que vive cada dia como um presente de Deus, apesar das circunstâncias, pois elas são o que são, circunstâncias, diferente do Deus que ela me ensinou a servir, que é eterno.

Agarre cada oportunidade!

Diante da necessidade de se aproveitar a vida e de aprecia-la, não nos resta outra atitude a não ser agarrar cada oportunidade. O Eclesiastes, diante da injustiça do mundo, vê em cada momento uma oportunidade singular de se viver e desfrutar da vida. Por tanto, o que o autor nos recomenda é viver com intensidade cada oportunidade que Deus nos dá.

Agarre cada oportunidade com unhas e dentes
E faça o melhor que puder.
E com prazer!

Agarrar as oportunidades e fazê-lo com prazer. Este é o convite para aqueles que vivem a lamentar as crises da vida e a se prender no comodismo e uma vida enfadonha, longe da alegria e cores que é viver com Cristo Jesus. Se há algo que mamãe faz e aproveitar as oportunidades que Deus lhe concede na vida para desfrutar da vida que Deus lhe deu.

Devemos nós, agora, aprender a desfrutar desta vida aproveitando as oportunidades que se apresentam diante de nós. Sabendo sempre que Deus não nos concede oportunidades vazias, mas sim ricas para aproveitarmos a vida e anunciarmos o Cristo que muda a nossa vida e é a razão do nosso viver.

Conclusão

Concluindo. Aproveite a vida. Aprecie a vida. Agarre cada oportunidade. A vida nos é demais preciosa. Tenho a alegria de ter nascido em uma família que sabe o valor da vida e que, ao longo das gerações, vem cumprindo a missão de ser servo fiel do Senhor da vida. Hoje, celebramos 70 anos de vida da Dona Rose, minha mãe. Tenho muito que eu agradecer a Deus pela vida dela. Pela paciência, educação, carinho e dedicação. Mas se há algo que eu tenho que te agradecer, mãe, é pelo legado do evangelho que a senhora transmitiu a mim e ao Bruno e que não deixaremos de transmitir ao Pedro Arthur, ao Antônio e ao José, que logo estará conosco. A Deus seja a glória, honra e poder, pois ele, em sua imensa graça e misericórdia, por eleger a nossa família para ser seus escravos, servos dedicados a cumprir a missão de transmitir, de geração em geração, o evangelho. Louvado seja Deus pela sua vida, mãe, pelo legado que nos transmite diariamente como filha, irmã, mãe e avó.

Só mais um minutinho, não posso perder a oportunidade de falar algumas coisas sobre a minha mãe. Dona Rose é uma pessoa muito intensa, em tudo o que vive e faz. Quem convive com ela sabe bem disso. Eu me lembro, no início dos anos 2000 de sua categórica afirmação “eu não quero saber de mexer em computador!”. Ah, os e-mails com powerpoint que recebia até bem pouco tempo atrás, até ela entrar no facebook, aí, agora são as mensagens. Por falar em mensagens, adoro os e-mails que ela manda: sem assunto, sem saudação, só um “tá sumido, morro de ligar aí e ninguém antende”. Por falar em ligar, ela tem a mania de não falar nem “alô”, e nem “thcau”. Já falei muito com o tututu do telefone. Mas mamãe é assim, intensa, gosta de celebrar, de festejar e de presentear. Ela dificilmente erra no presente. Bem, teve um aniversário meu que digamos, ela me deu um presentão: um transformador 110/220. Legal né? E cês acham que está lá em casa? Não, não, tá lá no apartamento, em Juiz de Fora. Por falar em Juiz de Fora, não custa lembrar ao Guto que não aceitamos devolução, né Julinho? Mas mamãe é assim, intensa, porque ela ama viver, ama tanto, que nos quer assim, perto dela. Mas não se preocupem, mamãe ainda vai viver muito tempo, ela fez um teste no Facebook que disse que ela ainda tem 56 anos de vida! Eita raça boa esses Stuz/Campagnuci, dura mesmo, hein? Por falar em Campagnuci, e para terminar, cito Isaías 22.13, parte final, um versículo muito citado pelo seu Júlio Campagnuci, pai de mamãe, e que vem bem a calhar com o momento festivo que vivemos. Não vou citá-lo na tradução contemporânea A Mensagem, nem na Revista e Atualizada de Almeida, mas sim como seu Júlio gostava de fazê-lo: Comamos e bebamos, que amanhã morreramos. Vamos festejar!


Sermão pregado por ocasião do Culto em Ação de Graças pelos 70 anos de Rosemary Campagnuci, minha mãe, na Igreja Presbiteriana de Alto Jequitibá, MG.

Reverendo Giovanni Alecrim
Pastor da Igreja Presbiteriana Independente do Brasil

Anúncios

Deixe um comentário

Faça o login usando um destes métodos para comentar:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.