Artigos

Um homem que Deus usa

Houve um homem chamado João, que foi enviado por Deus. (João 1.6)

O homem que Deus usa é chamado por ele para cumprir sua missão. Existem sete verdades sobre o homem que Deus usa que precisam ser afirmadas.

A primeira é que “Deus chama e envia pessoas para nos abençoar”. O ministério pastoral deve ser fruto de benção na vida da Igreja. Por mais que o pastor ou a pastora esteja na Igreja por anos a fio, cada ano deve ser considerado como o primeiro ano, tendo em mente a pergunta; o que eu tenho a oferecer a esta Igreja, neste ano, como instrumento nas mãos de Deus? Muitos pastores e pastoras estão comprometendo a vida espiritual das Igrejas. Segundo o Pr. Jeremias Pereira, muitos foram cuspidos no ministério, não possuem vocação pastoral, mas por terem carisma ou qualquer outra habilidade, foram ordenados.

A segunda verdade é que “Deus envia pessoas que podem chocar nosso imaginário”. Pessoas enviadas por Deus geram conflito, pois a palavra de Deus confronta situações de erro. Deus usa as pessoas loucas para abençoar seu povo e enviar sua mensagem. Deu nos usa do nosso jeito louco.

A terceira verdade é que “pessoas enviadas por Deus não disputam a glória com Deus”. O pastor ou pastora não pode chamar para si a responsabilidade de ser o baluarte da fé e da verdade de suas comunidades. Não podem fazer da sua palavra a palavra de Deus. “O anjo é da Igreja mas a Igreja não é do anjo”. O pastor pertence à Igreja para servi-la, não o contrário. Da mesma forma, a Igreja não pode competir com outra Igreja, deve antes, competir contra as forças do mal que minam a sociedade e, assim, apontar para Jesus. “Convém que eu diminua e que ele apareça”.

A quarta verdade é que “pessoas enviadas por Deus podem enfrentar crises e problemas pessoais”. O pastor e a pastora não estão imunes a dúvidas existenciais, teológicas, de fé e pessoais. O próprio João Batista, como líder, mandou perguntar se Jesus era mesmo o messias. Era uma dúvida de fé daquele que havia apontado a Jesus.

A quinta verdade é que “pessoas enviadas por Deus deixam um legado inspirador”. Um líder não se constrói da noite em uma semana, e seu legado não dura uma semana. Um líder sabe construir sua vida para que sirva de inspiração para as gerações futuras.

A sexta verdade é que “pessoas enviadas por Deus têm tarefas com começo, meio e fim”. Um líder sabe reconhecer a necessidade de começar um projeto, sabe quando reavaliar a necessidade dele e mudar seu rumo e sabe quando é necessário interrompê-lo.

A sétima e última verdade é que “pessoas enviadas por Deus devem ser reconhecidas e honradas”. O líder não é honrado quando não honra seus liderados. O zelo para com os liderados gera zelo para com o líder. Honra é mais que uma placa de metal, é reconhecimento vivo e palpável.

Uma pessoa enviada por Deus está submissa e consciente de sua tarefa perante o Senhor da Igreja. Não pode render-se a seus próprios interesses, antes, deve buscar com fidelidade cumprir seu ministério perante Deus e seu povo.

Que Deus nos abençoe.
Reverendo Giovanni Alecrim
Pastor da Igreja Presbiteriana Independente do Brasil


Este artigo é uma reação e reflexão à exposição de mesmo nome apresentado em plenária pelo Pr. Jeremias Pereira* no 36º Encontro de Pastores e Líderes da SEPAL, em Águas de Lindóia,SP, dia 4 de maio de 2009. *Pastor Jeremias Pereira: Pastor da 8ª Igreja Presbiteriana de Belo Horizonte. Fundador do Ministério Débora.

Anúncios

Deixe um comentário

Faça o login usando um destes métodos para comentar:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s